Raízes e Asas é um Grupo de mulheres e homens que se dedica aos temas de Género, Direitos Humanos, Democracia e Bem-estar e que tem uma visão, uma missão e um método:

VISÃO

MISSÃO

MÉTODO

nossas filhas e filhos crescem iguais com as suas raízes e asas
ajudar as pessoas a serem felizes
acompanhar-nos para ir ao fundo das coisas, à sua raiz

Raízes e Asas 25 anos

"Das nossas esperanças, dos nossos métodos, dos nossos compromissos, dos nossos propósitos, disso, como de um plano de batalha, se fala depois de as terem dado "(José Martí, "A la raíz")

Nascido no Peru, com mulheres e homens de diferentes nacionalidades do Sul e do Norte e com trajectórias profissionais diversificadas, o nosso Grupo cumpriu, em Janeiro de 2015, 25 anos. Nesse tempo demos não poucos passos, andamos muitos caminhos e superamos vários desafios.

Agora já faz sentido falar publicamente dos nossos propósitos, dos nossos compromissos, dos nossos métodos e das nossas esperanças.

 

Jorge Basadre, na sua apresentação à História do Direito no Peru, entre os propósitos, compromissos e esperanças, propõe-se construir um Peru - e um mundo, acrescentamos nós - "com raízes, mas também com asas".

Nesse intento, o Grupo vem trabalhando inspirado pelo movimento de mulheres e pela compreensão expressa por Marti, Basadre e Saramago:

"Os homens são anjos nascidos sem asas, e isso é o mais bonito, nascer sem asas e fazê-las crescer, o mesmo fizemos com o cérebro, e se com ele o fizemos, com elas o faremos "
(José Saramago, Memorial del convento)

Para quê e como trabalha Raízes e Asas

"A la raíz va el hombre verdadero. Radical no es más que eso: el que va a las raíces. No se llame radical quien no vea las cosas en su fondo. Ni hombre, quien no ayude a la seguridad y dicha de los demás hombres " (José Martí, "A la raíz")

Aspiramos, como o educador e poeta cubano inspirador do nosso nome e objectivo, a que as nossas filhas e filhos, bem como as gerações mais velhas, se atrevam a fortalecer-se e criem raízes e asas: essa é a nossa visão. Para tanto, partilhamos a humana missão: ajudar as pessoas a serem felizes, adoptando como método, ir às raízes e ver mais a fundo, apoiando e apoiando-nos em mulheres e homens, através de equipas multidisciplinares.

Na missão de ajudar, deparamo-nos com um obstáculo importante à felicidade das pessoas: o sistema de discriminação de género e exploração sexual. Este sistema viola os direitos humanos, perverte as relações democráticas, mina a liberdade, igualdade e fraternidade, prejudicando gravemente as hipóteses de bem-estar. O nosso grupo reúne homens e mulheres para trabalhar na erradicação da pobreza e a favor de tudo contra o qual este sistema atenta. Assim, espelhamos a nossa tarefa no nome do grupo:

Raízes e Asas, Grupo de acção sobre Género, Direitos Humanos, Democracia e Bem-estar

“Raízes e Asas” converge com o movimento das mulheres, assim como o fazem poetas e sociólogos que reconhecem o contributo radical do movimento:

"nós, mulheres, somos realmente o cordeiro que tirará o pecado do mundo, e no dia em que isto se compreenda vai a ser preciso começar tudo de nuevo "(José Saramago, Memorial del convento)

As mulheres e homens que fundamos e constituímos “Raízes e Asas” compreendemos, como o sociólogo Alain Touraine, que o autentico feminismo é um "movimento de libertação, não das mulheres, mas dos humanos pelas mulheres". Os homens do grupo comprovamos que não se pode ser radical, profundamente humano, sem ser feminista de coração. E constatamos a plena actualidade deste reconhecimento expresso, faz trinta e três anos:

É graças ao movimento das mulheres que nós, os homens, temos encontrado certos direitos aos sentimentos, às relações com as crianças, etc. E o que primeiro aparece como uma defesa cultural pode derivar para uma luta propriamente política contra este mundo de gestores e funcionários, contra esta vida na qual se exige que não se sirva outro propósito que não seja ‘fazer girar a máquina’ (A. Touraine, en Le Nouvel Observateur 8/1/78)

Uma característica que identifica Raízes e Asas, na metodologia prática e nos seus estatutos como associação, é a criação e acção conjuntos entre homens e mulheres de modo a enfrentar o sistema sexo-género, todas as formas de discriminação e os danos e inconvenientes que produzem nas pessoas e seus relacionamentos.